Editora Escala
  Loja Escala | Faça sua Assinatura | Anuncie | SAC | 55 11 3855-1000    
Edição 100
 
Sumário da edição
Edições anteriores
Editorial
Cartas
Gente
Em Foco
Beleza
Cultura
Educação
Consulta
Endereços
Agenda
Em Questão
Fale Conosco
Assine já
Anuncie
Para cadastrados
Para assinantes
Na revista impressa


  Taís Araujo
Esbanjando talento, beleza e espontaneidade, ela alavanca a carreira atuando como atriz, apresentadora e produtora e vive um grande amor com Lázaro Ramos

POR SANDRA ALMADA
PRODUÇÃO: ESTER DIAS

FOTOS E MAQUIAGEM: FERNANDO TORQUATTO

De qualquer ângulo que se olhe, Taís Araújo é notícia. Na pele da linda, fútil e consumista Ellen, a atriz vem conquistando um lugar de destaque no elenco de Cobras e Lagartos, novela da TV Globo. Loira, com os cabelos longos e alisados, para compor um look americanizado, Ellen, entretanto, é obrigada a sair de cena todas as vezes em que a atriz precisa estar de "corpo e alma" cumprindo outra função: a de apresentadora do Superbonita, programa de cuidados estéticos que vai ao ar pelo canal de tevê a cabo GNT, todas as sextas-feiras, às 22 horas e 30 minutos. Fora as campanhas publicitárias, entrevistas, capas de revistas e tudo o mais a que têm direito as artistas famosas.

Não bastasse essa múltipla jornada, a atriz e apresentadora investe na carreira de produtora e sai em busca de textos "apaixonantes" que possam ser transformados em belos espetáculos.

"Poderosa, eu? Imagina!" admira-se Taís. "Sou uma pessoa que tem um certo talento, que trabalha e estuda para que esse talento seja lapidado. Empenho- me para que as coisas dêem certo e conto também com a sorte", diz. Ao longo dos 27 anos de idade e 14 de carreira, Taís Bianca Araújo vem enfrentando desafios históricos. O primeiro deles foi viver, na tevê, com apenas 17 anos a lendária Xica da Silva, papel que consagrou nacional e internacionalmente a atriz Zezé Motta, na década de 70. "Era uma personagem dificílima e eu lá jogada aos leões, sem ter bagagem, experiência de vida", relembra a jovem atriz, que se rebelava com o diretor Walter Avancini e chorava muito cada vez que as poucas cenas de nu protagonizadas por ela iam ao ar. "Isso era muito ruim pra mim, me fez muito mal", confessa, sem ter deixado, entretanto, de dar vida a uma Xica forte, exuberante e sensual. "Hoje não poso nua porque não gosto de me expor, mas se considerar que a nudez é fundamental numa personagem, faço sem problemas", admite. "Não vou me despir só porque os outros acham que devo. Eu me respeito", enfatiza.

Também foi de Taís Araújo, o feito de ser a primeira protagonista negra de uma novela da Rede Globo. A heroína Preta, que chegou ao final da trama de Da Cor do Pecado nos braços do galã Reynaldo Gianecchini, é uma prova inegável da mudança dos tempos. "Agora a gente tem acesso a tudo. Quais os grandes cantores mundiais? A grande maioria é negra. Olha Sidney Potier, Denzel Washington, Morgan Freeman, no campo das artes. O mundo está prestando mais atenção nisso. Acaba que o talento prevalece, que é o que dura, o resto é perecível", avalia a jovem artista.

¨ SOU UMA PESSOA QUE TEM UM CERTO TALENTO, QUE TRABALHA E ESTUDA PARA QUE ESSE TALENTO SEJA LAPIDADO. EMPENHO-ME PARA QUE AS COISAS DÊEM CERTO E CONTO TAMBÉM COM A SORTE"

A última conquista de Taís foi o convite feito por Letícia Mahuma, diretora do GNT, para pilotar um programa sobre beleza dirigido a mulheres de todas as etnias. Taís confessa que ficou "feliz demais", aceitou sem pestanejar e vibra ao ver cair por terra mais um estigma sobre a sua raça. "A Letícia disse: 'Chamei a Taís porque é uma mulher bonita, que por acaso é negra. Lá pela 15a edição do programa vamos falar de beleza negra, não agora porque não vamos apostar nos estereótipos'. Achei isso o máximo".

Visivelmente mais amadurecida, a atriz guarda muito do ar de menina levada. Reafirma que não tem nada de certinha, confessa-se "cheia de defeitos" e diz que não tem "o menor saco nem vocação para ser princesinha". Rosto, corpo, porte e dignidade de princesa negra, isso ela tem de sobra. "Eu amo ser negra, meus pais trabalharam minha auto-estima para eu me sentir bonita, preparada e inteligente. E tenho consciência de que sou, junto com um grupo de outros atores negros, referência para milhões de afro-brasileiros e penso nisso o tempo todo", assume.

Em Cobras e Lagartos, a frívola Ellen, o carismático Foguinho (Lázaro Ramos) e o agiota Ramires (Ailton Graça) estão longe de ser exemplos de dignidade. Tanta referência negativa para o público negro numa mesma novela deixou, de início, a atriz preocupada.

"A pessoa que iria fazer o meu pai na novela teria que ser um ator negro incrível. Quando soube que era o Milton Gonçalves, disse: 'Graças a Deus, houve um equilíbrio'. Junta três - eu, Lázaro e o Ailton - e não dá um Milton", brinca. "É o nosso maior representante, fazendo o homem mais digno da novela", completa.

Por força do ofício - e, é claro, para dar vida à sua "saradíssima" personagem - Taís é obrigada a malhar diariamente, coisa que a atriz diz odiar. "Acordo e vou direto para a academia, por compromisso profissional mesmo. Depois me livro e sigo o dia feliz", conta, exibindo um corpinho invejável.

FOTOS E MAQUIAGEM: FERNANDO TORQUATTOCasada com o ator Lázaro Ramos, a habitualmente falante Taís, forma com ele um casal que mantém a imprensa à meia distância de sua vida amorosa.

Compreensível. Há alguns anos, quando namorava o cantor e apresentador Netinho, "viraram minha vida pelo avesso", lamenta a atriz. A história pessoal de Taís, envolvida nessa época com um homem casado e pai de vários filhos," se assemelhava a uma novela", na avaliação da própria artista. A mãe interferia nas entrevistas, tentando talvez evitar uma exposição excessiva. "Eu falava demais. Hoje, estou aprendendo a escutar mais do que falar", afirma. Será que Taís também se arrepende da escolha amorosa que fez no passado? "Eu era uma adolescente", responde laconicamente. "Precisa dizer mais alguma coisa?", completa com uma gargalhada.

AMOR E ADMIRAÇÃO POR LÁZARO RAMOS
Águas passadas não movem moinho. Atualmente, o que movimenta o coração e a vida da atriz é um baiano de origem humilde, nascido na periferia de Salvador, que lutou e estudou para ser um ator respeitado e faz de Taís uma mulher muito feliz. "Ele me acrescenta e me emociona. A história de Lázaro é um exemplo incrível de superação", avalia. Aluna do curso de jornalismo da Universidade Estácio de Sá, Taís retoma os estudos em março para receber o diploma em dezembro de 2007. Nas férias - que se passarem de 15 dias já a deixam com a sensação "de estar perdendo tempo na vida"-, vai aproveitar para exercitar o inglês e o francês, em Londres e Paris. Múltipla, ela não esconde que está de olho na carreira de jornalista. "Quem sabe a Letícia não me deixa fazer um estágio não-remunerado no Superbonita, brinca.

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO VIVIANE TEIXEIRA. VESTIDO REINALDO LOURENÇO E JÓIAS H.STERN.

Faça já sua busca no site da Raça Brasil
Cadastre-se já no boletim da revista
Raça Brasil.
Serviço gratuito!
 


   

Editora Escala
  Loja Escala | Faça sua Assinatura | Anuncie | SAC | 55 11 3855-1000