Reportagem << Home
  O sonho de revolução das comunidades de periferia
Nos anos 1970 e 1980, quando a Central Única das Favelas nem sonhava existir, alguns estudiosos advertiam: quando a favela descer para o asfalto, não haverá como conter uma revolta social! A previsão, para muitos, significava uma grande catástrofe

Por Sandra Almada | Fotos Fernanda Moraes/Divulgação
Formatura de alunos da CUFA na quadra da Escola de Samba Império Serrano, em Madureira  
Oficinas de Break sob o viaduto Negrão de Lima, também em Madureira

Nos idos anos 1970 e 1980, quando a Central Única das Favelas (Organização nãogovernamental que ficou nacional e internacionalmente conhecida com a sigla CUFA) nem sonhava existir, alguns estudiosos advertiam: quando a favela descer para o asfalto, não haverá como conter uma revolta social! A previsão, para muitos, significava uma grande catástrofe. Para outros, justamente o contrário.

Na opinião destes últimos, a revolução dos pobres seria uma espécie de "vingança da história", uma tomada de atitude, que, enfim, mudaria as condições socioeconômico-educacionais de milhões de brasileiros. Aqueles considerados "cidadãos de segunda classe". Aquela porção do país que, por viver as tensões mais extremas produzidas pela concentração de renda e injustiça social, se tornaria heroicamente responsável por promover a 'virada'.

OS NÚMEROS E AS MUDANÇAS
Pois bem, de lá para cá, muita coisa mudou. Embora tenhamos entrado no século 21 ainda exibindo uma dívida social enorme, cresceu, significativamente, no Brasil, o número de integrantes das classes C. Os recém-chegados são uma parcela dos pobres de outrora, aqueles mesmos que compunham as classes D e E. Ou seja, quando a Cufa nascia há 10 anos, os dados do IBGE sinalizavam: éramos cerca de 54 milhões de pobres, entre os quais, a maioria de negros! Hoje, parte deles já pode saborear bens de consumo antes inimagináveis: eletrodomésticos, computadores, cursos de aperfeiçoamento em suas áreas profissionais, viagens, planos de construção da casa própria, entre outros itens.

As cotas nas universidades também vieram ajudar a mudar o cenário. Em 2010, foram computadas cerca de 91 instituições públicas de ensino superior no país, nas quais estão reservadas uma parcela de vagas para negros, indígenas, mulheres, entre outras minorias. Na área educacional, o governo Lula ficou com o mérito, ainda, de ter criado cerca de 210 escolas técnicas em vários estados. São elas que acolhem 105 mil jovens brasileiros e os preparam para o mercado de trabalho, em diferentes áreas. Já o Prouni, outra iniciativa do governo federal, cobre, através de empréstimo financeiro, as despesas de mais de 700 mil estudantes universitários pobres dentro das faculdades privadas.

"(...) QUANDO A CUFA NASCIA HÁ DEZ ANOS, OS DADOS DO IBGE SINALIZAVAM: ÉRAMOS CERCA DE 54 MILHÕES DE POBRES, ENTRE OS QUAIS, A MAIORIA DE NEGROS! HOJE, PARTE DELES JÁ PODE SABOREAR BENS DE CONSUMO ANTES INIMAGINÁVEIS"

Mas, apesar de tantos indícios de que ser pobre hoje é diferente de ser pobre há 10 anos, a grande desigualdade racial ainda mancha a rota de sucesso do país. E continua sendo nas favelas e nas áreas periféricas que a exclusão negra encontra sua face mais radical. Portanto, vale a pena perguntar: A aposta na atuação dos excluídos para mudar a estrutura da sociedade brasileira, ficou pra trás? A favela não precisa mais descer para dizer a que veio ao asfalto? Quem ainda acredita na revolução dos pobres?

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>
 
Cultural :: ed 136 - 2009
15 filmes para ver e refletir
Beleza :: ed 114
40 dúvidas que não saem da sua cabeça
Movimento :: ed 130 - 2009
10 mulheres negras de destaque

Reportagem :: ed 188 - 2014
A cidade de São Paulo e os antigos carnavais
Reportagem :: ed 188 - 2014
Mulheres necessárias
Reportagem :: ed 188 - 2014
Carolina Maria de Jesus: renegada pelo cânone literário brasileiro

 
Quero Assinar
Comprar esta edição
Ver Edições Anteriores
 












BUSCAR!

 
Assine Atrevidinha
 

Denúncias e polêmicas
Os ecos de uma sociedade onde o racismo ainda marca as relações sociais chegaram às Ouvidorias Permanentes em Defesa da Igualdade Racial, distribuídas em todo o Brasil. A polêmica em torno do livro Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, coloca o tema em debate e resgata histórias

 
GOG denuncia
O rapper lança o seu primeiro livro, A Rima Denúncia, uma reunião de letras contundentes do ativista cultural e político de Brasília, considerado um intelectual do movimento hip hop. Na obra, ele passa a limpo a história recente do Brasil, pontuando suas mudanças e constatando suas mazelas


Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS