Cabelos << Home
  BLACK POWER
O penteado que foi moda nos anos 70 volta com força total para homens e mulheres. Com as formas mais desalinhadas e descontraídas, continua fazendo sucesso

CONCEIÇÃO LOURENÇO E ROMÁRIO DE OLIVEIRA
FOTO: CRISTIAN PARENTE

Quem já passa dos 40 anos sabe que, nos anos 70, quanto maior era o black power mais seria respeitado pela turma. O primeiro famoso a assumir o pixaim foi Toni Tornado, depois Tim Maia. Ambos haviam morado nos Estados Unidos por um tempo. A atriz Zezé Mota conta que, em visita àquele país, na época, deparou com os negros usando cabelo natural, voltou para o hotel e enfiou correndo a cabeça debaixo do chuveiro e sentiu como se fosse uma libertação. A onda pegou tanto no Brasil que virou símbolo de modernidade não só para negros. Jô Soares, Marcos Paulo, Roberto e Erasmo Carlos (cantores), todos usavam. Até que, em meados de 1974, Paulo César, jogador do Flamengo e da Seleção Brasileira, inovou, colorindo o black de caju. Ganhou até o apelido de Paulo César Caju. O black dos anos 70 tinha o corte bem definido. Era cortado com precisão. A moda atual é deixar o cabelo crescer sem corte, sem definição. Alguns homens, por exemplo, texturizam os fios para os cachos ficarem mais soltos. Nesse caso, os cabeleireiros indicam gel como manutenção para maior fixação. Já para os que possuem cachos naturais, o ideal é usar leaven-in para evitar o ressecamento dos fios.

ELES TAMBÉM USARAM BLACK POWER
Acima, Michael Jackson, ainda no tempo dos Jacksons Five. Ao lado, cantor-autor Toni Tornado. Abaixo, Angela Davis, militante do grupo Black Panthers. Grace Jones atriz-cantora e seu corte angular


DICAS DO PROFISSIONAL

O cabeleireiro Duza, na área há 30 anos, especializou-se em black power, cuida do visual de várias celebridades e acredita que o penteado nunca saiu da moda. Ele dá algumas dicas:

1. A hidratação é o primeiro passo para quem quer usar o cabelo naturalmente crespo. E o conselho é fazê-la uma vez por mês no salão e semanalmente em casa, com os cremes de sua preferência.
2.
Por mais crespo que seja o cabelo, precisa ser desfiado no garfo, com a ajuda de um secador. Ele ganhará o formato do corte, que, na verdade, é o mais arredondado. Quanto mais crespo, mais original fica o penteado.
3. Para o cabelo mais soltinho, ou com cachos definidos, indico o líquido de permanente: levanta os fios e dá originalidade ao corte - fica armado. Bem ao estilo dos anos 1970. Mas, para obter esse resultado, o ideal é usar um fixador para detalhar e finalizar o penteado. Depois desse processo, o correto é ficar dois dias sem lavar para o cabelo permanecer cada vez mais crespo e arredondado.

1. Leave-in Conditioner, ThermaSilk, Helene Curtis, R$ 25
2. Gel Citré, Shine, R$ 17,16
3. Gel fixador e modelador, OX Marrow, R$ 10,50
4. Gel Fixador, Wella, R$ 34,95
5. Condicionador spray, sem enxágue, C. Kamura Style, R$ 9,24
6. Leave-in, Salon Line, R$ 7,99
7. Leave-in, hidratante capilar, Lacan, R$ 11,45
8. Gel fixador, Studio Line, L'Oréal, R$ 15,89

OBS: preços cotados em abril de 2005, sujeitos a alteração


 
Beleza :: ed 114
40 dúvidas que não saem da sua cabeça
Cultural :: ed 136 - 2009
15 filmes para ver e refletir
Movimento :: ed 130 - 2009
10 mulheres negras de destaque

Notícias :: 16/04/14
MPF faz recomendações sobre saúde e educação em comunidade quilombola
Notícias :: 16/04/14
Jornalista é preso por racismo e afastado de emissora no Paraná
Notícias :: 16/04/14
Família denuncia PM por agredir menina negra de 15 anos

 
Quero Assinar
Comprar esta edição
Ver Edições Anteriores
 












BUSCAR!

 
Assine Atrevidinha
 

Denúncias e polêmicas
Os ecos de uma sociedade onde o racismo ainda marca as relações sociais chegaram às Ouvidorias Permanentes em Defesa da Igualdade Racial, distribuídas em todo o Brasil. A polêmica em torno do livro Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, coloca o tema em debate e resgata histórias

 
GOG denuncia
O rapper lança o seu primeiro livro, A Rima Denúncia, uma reunião de letras contundentes do ativista cultural e político de Brasília, considerado um intelectual do movimento hip hop. Na obra, ele passa a limpo a história recente do Brasil, pontuando suas mudanças e constatando suas mazelas


Faça já a sua assinatura!


Visão Jurídica
O Direito de forma ampla e atual.

Assine!Outras ofertas!


Gestão & Negócios
Para vencer na vida pessoal e profissional.


Assine!
Outras ofertas!

Leituras da Histria

Fatos e personalidades que deixaram suas marcas.

Assine!
Outras ofertas!

Raça Brasil
Diversidade é o Brasil de verdade.


Assine!
Outras ofertas!
  ContentStuff - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo - CMS