Editora Escala
  Loja Escala | Faça sua Assinatura | Anuncie | SAC | 55 11 3855-1000    
Edição 100
 
Sumário da edição
Edições anteriores
Editorial
Cartas
Gente
Em Foco
Beleza
Cultura
Educação
Consulta
Endereços
Agenda
Em Questão
Fale Conosco
Assine já
Anuncie
Para cadastrados
Para assinantes
Na revista impressa


  Quase Sereias
Entrelaçamento, fio-a-fio, great lenghts e megahair, um superguia sobre alongamento para você realçar a beleza de seu cabelo

POR ANA CAROLINA CARVALHO
PRODUÇÃO: SIMARA MARTINS

FOTOS: CHRISTIAN PARENTE

O cabelo comprido, abaixo dos ombros, é cheio de sensualidade. Não importa se é levemente ondulado, superliso ou encaracolado. Mas esperar os fios crescerem nos leva à beira de um ataque de nervos. Um determinado comprimento os deixa disformes - não tem fivela, tic-tac ou faixa que dome tanta rebeldia. Para se chegar a uma altura média, que dê para exibir um rabo-de-cavalo atraente, pode levar meses. Então, ciente disso, preparamos um guia com os métodos mais usados para alongar os fios com todas as técnicas, os prós, os contras, os preços e os cuidados de manutenção. Se antes era preciso passar dias no salão para emendar as tiras de cabelo artificial com os fios naturais, agora já existem processos que economizam tempo e proporcionam um resultado perfeito. Afinal, famosas como Janaína Lince, Adriana Alves, Taís Araújo, Halle Berry e Jennifer Lopez já aprovaram esse método.

Os cabelos usados nos alongamentos podem ser sintéticos ou naturais. "Os sintéticos são fibras que imitam a textura e a coloração do cabelo humano", explica João Carlos Pereira, da HairTrends. A fibra mais famosa do mundo é a Kanekalon, fabricada pela empresa japonesa Kaneka Corporation. Já os fios naturais disponíveis são humanos e, normalmente, vêm da Índia ou da Ásia. Depois de cortados, eles seguem para um processo similar ao que passa a cashemira. Descolorir para depois colorir novamente, e suportam os mesmo tratamentos que qualquer melena: cortar, tingir, luzes, prancha, secador, baby-liss. Na hora de escolher entre um tipo e outro, repare no balanço e na coloração dos fios. Os naturais são mais maleáveis e podem ser encontrados em mais de 40 tonalidades.

Remover o alongamento pode ser tão trabalhoso quanto colocá-lo. Todo cuidado é pouco para tirar os elásticos e as colinhas para não estragar a ponta dos fios naturais. Se isso acontecer, procure fazer um corte e capriche na hidratação para recompor as fibras.

NÓ ITALIANO
OU FIO-A-FIO

"São feitas minitrancinhas na raiz do cabelo e, com elástico, as mechas postiças são presas", explica Flávia Campos Holtz, especialista em alongamento do salão Locomotivas. O nó italiano foi o primeiro método de alongamento criado e é indicado para os cabelos cacheados, crespos e sem volume. "Os fios só não podem ser muito finos porque quebram facilmente e não resistem aos elásticos", alerta a cabeleireira. Também, é melhor aplicá-los apenas na parte de trás da cabeça, para os elásticos não ficarem aparentes.
Manutenção: na hora de lavar e escovar, todo cuidado é pouco. Nada de esfregar o couro cabeludo. Mantenha o pente longe das emendas, para não desmanchar as mechas. Dura de quatro a cinco meses.
Preço: entre R$ 1.000 e R$ 1.500
Dica: Segundo a especialista Flávia Holtz, depois de um mês, recomendase fazer manutenção para ajustar os elásticos e os fios que soltaram.

PONTO AMERICANO
OU ENTRELAÇAMENTO

É um dos métodos mais trabalhosos. Numa tira de tela, o cabeleireiro costura as mechas falsas e, com uma agulha semelhante à de crochê, une ao cabelo da pessoa. "Por conta da tela, é preciso ter um comprimento mínimo de sete centímetros para entrelaçar os fios e o cabelo não pode estar fraco ou sensível", lembra Priscila Pece, cabeleireira do Nilta Cabeleireiros & Perucas.
Manutenção: deve ser rigorosa. Com a tela, é mais difícil lavar o cabelo. Não dá para esfregar o couro cabeludo e ele pode ficar abafado e úmido. Assim, a cada trinta dias, é recomendado visitar o salão para uma "revisão mensal". "Como o cabelo cresceu nesse período, reposicionamos a tela, para ela não aparecer, organizamos os fios que se desprenderam e caprichamos na lavagem", comenta Priscila. Dura de quatro a cinco meses.
Preço: em média, R$ 50, para entrelaçar cada tira, e R$ 300, a tira.
Dica: Se o couro cabeludo coçar, aparecerem bolinhas e caspa ou ficar muito úmido, pode ser por causa de resíduos de xampus, condicionadores ou finalizadores. Se isso acontecer, vale a pena tirar os apliques e procurar um dermatologista.

MEGAHAIR
Nessa técnica, as mechas artificiais são emendadas com cola de silicone especial. "A cola é aquecida e derretida por uma pistola usada em artesanato e, mais maleável, adere aos fios facilmente", explica a cabeleireira do Locomotivas. As novas porções de fios são montadas pelo próprio cabeleireiro e depois de prontas, podem ser aplicadas. Para enfrentar a transformação é preciso paciência. Como o processo é realizado mechinha por mechinha, pode demorar de seis a oito horas. "O Megahair pode ser feito no cabelo mais curto, com quatro centímetros, no mínimo.

Se tiver menos que isso, as ligações entre o fio natural e o falso aparecem", conta Priscila Pece. Em casa, alguns cuidados são essenciais para não destruir a colinha. O calor da água quente, do secador e da chapinha podem derreter o silicone e soltar as melenas. Tenha atenção com a umidade: ela pode deixar a cola pegajosa, os fios podem grudar e formar nós.
Manutenção: aqui, a manutenção é sinônimo de cabelos saudáveis. "Depois de três meses, recoloque o os fios, aproximando-os mais da raiz, para garantir o resultado natural", diz Flávia Holtz.
Preço: a mão-de-obra, entre R$ 800 e R$ 1.000; o cabelo, a partir de R$ 300; e a cola, R$ 200.
Dica: Periodicamente, lave o cabelo no salão, para uma higiene reforçada, e para checar e reparar a cola de silicone.

ENTRELAÇAMENTO

FOTOS: CHRISTIAN PARENTE

FOTOS: CHRISTIAN PARENTE

1- Finas tranças de raiz são feitas na cabeça toda para firmar as tiras com o novo cabelo.
2- Os fios mais compridos, que cobrem a nuca, ficam soltos e se misturam com o alongamento, para um resultado natural.
3- Com a ajuda de uma agulha, como a de crochê, a cabeleireira entrelaça a tela de cabelo às tranças.
4- Os apliques devem ser colocados seguindo o desenho natural do cabelo para ter balanço.

PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>

Faça já sua busca no site da Raça Brasil
Cadastre-se já no boletim da revista
Raça Brasil.
Serviço gratuito!
 


   

Editora Escala
  Loja Escala | Faça sua Assinatura | Anuncie | SAC | 55 11 3855-1000